CBOT: milho e soja podem abrir em alta com correção; trigo deve recuar

Indique a um amigo

Os contratos futuros de grãos negociados na Bolsa de Chicago (CBOT) podem abrir em alta nesta segunda-feira, com exceção do trigo que tende a recuar ou ficar perto da estabilidade. O mercado monitora o plantio norte-americano e o desenrolar das tensões entre Estados Unidos e China, sujeito à correção de posições após recentes quedas, principalmente na soja.

Mais cedo, o Departamento de Alfândega da China informou que as importações da oleaginosa somaram 6,92 milhões de toneladas em abril, queda de 14% em relação ao igual período de 2017. Foi o segundo mês consecutivo em que as aquisições do grão pelo país tiveram resultado negativo. No acumulado do quadrimestre, as compras chinesas da oleaginosa totalizaram 26,49 milhões de toneladas, recuo de 3,8% ante o intervalo de janeiro a abril do ano passado. Instituições financeiras já afirmam que este movimento reflete os primeiros sinais do conflito entre chineses e americanos.

Ontem, o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) informou que 15% da área de soja foi plantada até domingo (6), ante 13% em igual período do ano passado e na média dos últimos cinco ciclos. A semeadura avançou 10 pontos porcentuais em uma semana. Analistas esperavam que produtores do país tivessem semeado 12% da área prevista.

Já no milho, o plantio continua atrasado, atingindo 39% até domingo, em comparação com 45% há um ano e 44% na média de cinco anos, fator que sustenta as cotações do cereal na CBOT.

A semeadura de trigo de primavera também avançou consideravelmente na semana passada, passando de 10% para 30% da área total prevista, fator que pode empurrar os preços para baixo. Os trabalhos de plantio, porém, ainda estão atrasados em relação à média de cinco anos, de 51%. O USDA disse também que 4% da safra de primavera tinha emergido, ante 22% na média de cinco anos.

No overnight, o vencimento julho da soja ganhou 6 cents (0,59%), a US$ 10,1750 por bushel. O milho para julho subiu 1,75 cent (0,44%), a US$ 4,0250 por bushel, enquanto igual vencimento do trigo caiu 0,50 cent (0,10%), a US$ 5,11 por bushel. (Nayara Figueiredo - nayara.figueiredo@estadao.com - com informações da Dow Jones Newswires).

Fonte: Broadcast Agro

Indique a um amigo