Trigo: Estoques finais menores devem elevar preço

Indique a um amigo

O IGC (International Grains Council) aponta que a produção mundial de trigo deve cair 19,4 milhões de toneladas (MT). Por outro lado, o órgão (formada por técnicos de mais de 50 países) projeta que o consumo deverá crescer 4,8 MT na temporada 2018/19, de acordo com seu relatório de oferta & demanda divulgado nesta quinta-feira (24.05).

Outra importante alteração apresentada nessa nova estimativa é no estoque inicial: 18,4 MT maior do que a safra anterior. Já o estoque final será 5,8% menor do que a temporada anterior (2017/18), aponta a organização sediada em Londres (Reino Unido). 

De acordo com a Consultoria Trigo & Farinhas, os estoques finais menores significam preços mais elevados. "E é isto exatamente o que esperamos para o período de 2018/19 em Chicago, no mundo e no Brasil", afirma o analista da T&F Luiz Fernando Pacheco.

"Em nosso modo de entender, os preços, tanto do trigo, como das farinhas, deverão permanecer elevados pelo menos até o final de outubro próximo, no Brasil, que é quando entra com mais força a colheita dos estados do PR e do RS que, neste ano, quase coincidirão, devido ao atraso paranaense", complementa o especialista. 

Segundo ele, isto fará com que os moinhos se abasteçam com trigo importado desde maio, até o início de novembro: "Ora, os trigos importados estão chegando ao país a mais de R$ 1.000,00/t e isto poderá manter os preços elevados até novembro, quando entra o trigo argentino mais baixo. Somados os demais custos das importações, este preço equivalerá a mais ou menos R$ 910,00/t a partir de novembro, que puxará os preços do trigo nacional. Isto é 44,4% acima dos preços pagos na mesma época aos agricultores brasileiros, no ano passado".
 
"No Brasil, os moinhos estão fazendo contratos a R$ 800,00 CIF no Paraná, para entrega entre setembro até 15 de outubro e pagamento com 20 dias, equivalente a R$ 700,00 CIF no RS. Para os agricultores, cerca de 10,4% acima dos seus custos de produção. Entre 15 e 30 de outubro, os preços no PR baixam para R$ 750,00 e no RS para R$ 650,00/t. A partir de 01 de novembro os preços devem ser reduzidos para algo ao redor de R$ 700/t no PR e R$ 600/t no RS, cerca de 8% (no PR) e 13,20% (no RS) a mais do que os preços de R$ 650,00/t no PR e R$ 530/t no RS no início de dezembro de 2017", conclui. 

Fonte: Agrolink

Indique a um amigo