Fabricante chinesa de moinhos de trigo terá Brasil como base para América Latina

Indique a um amigo

Líder no fornecimento de máquinas para moinhos de trigo na China, a Pingle deverá ter uma unidade no Brasil a partir de setembro, em movimento para estabelecer uma base de negócios para a América Latina, o que indica o avanço dos chineses também na indústria de equipamentos na região.

O investimento inicial da companhia chinesa em escritório técnico e comercial e na construção de um armazém para estoque de peças para moinhos em Ponta Grossa (sul do Paraná) é relativamente pequeno, de 1 milhão de dólares.

Mas esse será apenas o primeiro passo do projeto, que prevê numa segunda fase uma linha de montagem com equipamentos importados da China, para a venda de máquinas nacionalizadas, com maior acesso a financiamentos, disse à Reuters o agente da Pingle no Brasil, Luiz Valentim.

Atualmente, a Pingle já atende 36 unidades industriais no Brasil, mas com maquinário importado montado da matriz, que conta com o expertise de atender na China um mercado de mais de 6 mil moinhos, há mais de 20 anos.

"Esse período que estamos no mercado já comprovou isso, a fábrica na China é de alta tecnologia na produção de equipamentos, não perde para ninguém em termos de produção, tecnologia e acabamento", disse Valentim, ao ser questionado sobre os planos de crescer no Brasil.

"E temos uma condição própria de sermos bem competitivos nas condições comerciais", acrescentou ele, ao falar sobre umas das características da agressividade dos negócios das empresas chineses que atuam no Brasil.

No Brasil, a Pingle tem como principais concorrentes a unidade brasileira da suíça Bühler e a brasileira Sangati Berga, que possui fábrica em Fortaleza (CE).

O movimento da Pingle ressalta como empresas da China, o maior cliente das principais commodities do Brasil (soja, minério de ferro e petróleo), têm avançado no fornecimento de equipamentos e insumos para a indústria brasileira de produtos básicos e de infraestrutura.

A China já atua fortemente no agronegócio do Brasil, principalmente como compradora de grãos, com empresas como a Cofco.

Os chineses, contudo, veem cada vez mais o país sul-americano como um canal para escoamento de suas tecnologias e manufaturados. O setor de eletricidade é um exemplo disso, com a atuação da State Grid, a maior elétrica do mundo, que tem ampliado sua presença no Brasil e ao mesmo tempo contratado parte de sua demanda por equipamentos e serviços junto a fornecedores chineses.

PLANOS

Com a expansão das atividades no Brasil, a Pingle foca uma nova fase de investimentos do setor de moagem de trigo, após cerca de 45 por cento dos moinhos terem passado por modernização desde 2015 no país, de acordo com dados de uma pesquisa encomendada pela Abitrigo, a associação da indústria do país que importa mais de metade de sua necessidade do cereal.

"Estamos apostando numa segunda onda de investimentos, devido à necessidade daqueles que não investiram se equipararem aos outros em termos de competitividade. Tem plantas que ainda têm tecnologia muito conservadoras, então nós apostamos nisso", afirmou o agente da Pingle.

Para se ter uma ideia dos valores negociados no setor, o investimento apenas em equipamentos em um moinho com capacidade de moagem de 500 toneladas/dia gira em torno de 5 milhões de dólares.

De acordo com Valentim, com uma linha de montagem no Brasil, a empresa conseguirá montar as máquinas de acordo com as especificações do cliente nacional. Além disso, a empresa poderia ser beneficiada com mais financiamentos disponíveis para equipamentos nacionalizados.

"O que perdemos atualmente é pela questão de restrição de financiamentos para equipamentos (importados), é daí que surge a ideia da linha de montagem, daí vamos vender nacionalizado", declarou ele.

O representante da companhia afirmou também que a base no Brasil pode permitir que a Pingle exporte equipamentos a partir do país. "Com certeza, esse investimento aqui no Brasil é para atender a América Latina", declarou.

Além de equipamentos para moinhos de trigo, a Pingle também fabrica máquinas para a moagem de cereais como milho, outro mercado que a empresa pretende atender no Brasil.

Fonte: Reuters

Indique a um amigo