Preço da farinha de trigo deve cair no Brasil e na Argentina

Indique a um amigo

"Não é hora de estocar farinhas, porque os preços devem cair no Brasil e na Argentina. Trocamos ideia com um importador de farinhas argentinas há mais de 25 anos, em São Paulo. Ele acredita que a farinha argentina caia em outubro, e não é o momento de ficar estocado". A avaliação é do analista T&F Consultoria Agroeconômica, Luiz Fernando Pacheco. 

De acordo com o importador, na capital paulista praticamente não há farinhas argentinas nas padarias. "Ele abaixou um pouco os preços das farinhas importadas, mas continuam ainda acima do mercado. Está trabalhando a 0000 entre R$ 66 e R$ 69 e a 000 entre R$ 58 e R$ 60/saca 25 kg nas padarias. As nacionais top, tipo 0000 estão na faixa de R$ 63 a R$ 64 e as tipo 000 R$ 56 a R$57", aponta Pacheco.

"Dos moinhos nacionais de 'segunda linha' tem de tudo, a partir de R$ 38. Chegou a ficar R$ 10/saca acima do preço das Tops Nacionais, mas hoje está na faixa de R$ 2,00/saca acima. Conseguiu estancar o prejuízo que teve nos meses de junho/julho, mas os volumes seguem baixos (600 ton/mês x R$ 1.100 ton/mês, o que seria o normal). Melhor vender menos, mas com lucro. 

A T&F tem a mesma opinião sobre as farinhas brasileiras, só que poderão cair antes: "Aliás, já estão caindo, levemente, mas a pressão maior deverá ocorrer a partir do início da colheita e da prática dos preços do trigo de safra nova, ao redor de R$ 800 no PR e R$ 700 no RS (neste estado os preços de exportação estão ao redor de R$ 600 no interior). Os compradores, sempre atentos a isto, exigirão preços menores das farinhas, sabendo que os moinhos poderão abaixar, mantendo algum lucro". 

Fonte: Agrolink

Indique a um amigo