Dólar eleva preço de derivados de trigo

Indique a um amigo

Os produtos que mais subiram em agosto na cesta básica sorocabana foram os derivados do trigo: biscoito, macarrão e farinha de trigo. A alta é provocada pela oscilação do dólar, que encarece a importação do cereal, pois o Brasil não é autossuficiente na produção. A pesquisa dos preços dos itens da cesta foi divulgada quinta-feira pela Universidade de Sorocaba (Uniso).

O biscoito água e sal (pacote de 200 gramas) foi o produto com maior alta entre julho e agosto, 9,2%, de R$ 2,06 para 2,25; em seguida vem o macarrão (pacote de 500 g), que subiu 6,5%, de R$ 2,43 para R$ 2,59; a salsicha (1 kg) de R$ 9,07 para R$ 9,44 (4%); e a farinha de trigo, de R$ 3,53 para R$ 3,66 (3,6%). A farinha de mandioca também teve aumento de preço, de 3%.

Além da alta do dólar, a redução da safra de trigo na região Sul do Brasil devido ao clima mais seco também foi motivo para o encarecimento de derivados de trigo.

A cesta básica sorocabana apresentou o segundo mês consecutivo de queda em agosto após duas altas anteriores (maio e junho). Na comparação de julho com agosto a queda foi de 0,85%, passando de R$ 577,47 para R$ 572,55, ou seja, R$ 4,92 a menos. Em relação a agosto de 2017, a alta é de 0,71%.

De acordo com o coordenador da pesquisa, o economista e professor Lincoln Diogo Lima, a redução do preço da cesta em agosto indica que os produtos de consumo básico ficaram em média mais baratos, ao passo que os bens e serviços em geral na economia tornaram-se em média mais caros. A inflação oficial do mês, pelo IPCA, foi de -0,09%. Dos 34 itens pesquisados na cesta, 16 apresentaram redução.

Cebola, batata, feijão e leite tiveram as maiores quedas de preço. A cebola passou de R$ 2,05 em julho para R$ 1,75 em agosto (-14,6%); a batata de R$ 1,78 para R$ 1,55 (12,9%); e o leite longa vida de R$ 3,62 para R$ 3,45 (-4,7%). Apesar de não constar na pesquisa, em setembro o preço do leite caiu mais nos supermercados, sendo vendido por menos que R$ 3.

Embora os preços de alguns itens tenham baixado, consumidores lembram que pagavam menos antes. A auxiliar de secretaria Viviane Fernandes, 28 anos, foi às compras ontem de na manhã em um supermercado no bairro da Árvore Grande e comprou batatas por R$ 1,99 o quilo. "Quase R$ 2 o quilo da batata está um preço acessível, mas em meses anteriores já cheguei a pagar menos", afirma.

 

Fonte: Cruzeiro do Sul

Indique a um amigo