Política nacional do trigo e os desafios do setor no Brasil foram os destaques do Congresso do Trigo

Indique a um amigo

Com a presença dos principais players do setor triticultor, a 25ª edição do Congresso Internacional da Indústria do Trigo, realizado no Hotel Bourbon Cataratas Convention & SPA Resort, em Foz do Iguaçu (PR), teve início na tarde de 23 de setembro.

A palestra inaugural do evento foi ministrada pelo jornalista William Waack que apresentou aos participantes um breve panorama político e econômico do Brasil, ressaltando a importância das eleições de outubro para que o país consiga sair da crise, que tem se arrastado há alguns anos.

Com o tema "O terreno que iremos semear: economia e política no Brasil", o jornalista reforçou a importância da participação da população nos assuntos políticos. "Não estamos em uma situação comum ou corriqueira e nos perguntamos, e agora como vamos sair dessa? Ao meu ver temos apenas um caminho, a reforma politica com a participação efetiva da população", destacou Waack.

A importância da união da cadeia em prol do desenvolvimento do setor triticultor brasileiro foi o tom central da abertura do Congresso Internacional da Indústria do Trigo, realizada na manhã de 24 de setembro.

Com a presença de autoridades regionais e representantes do setor, o painel que deu início ao evento abordou a política nacional do trigo, destacando a importância do incentivo ao desenvolvimento do setor, levando em conta a união dos players da cadeia em prol do mercado do trigo no Brasil.

Após a abertura, o painel 'Semeando o nosso futuro' trouxe a dupla Allan Costa - empresário, consultor e membro do Harvard Business School Startup Angels - e Arthur Igreja - professor da FGV (Fundação Getulio Vargas) e fundador da Disrupt Investment and Innovation, além do representante da Financiadora de Inovação e Pesquisa - FINEP, André Fernandes.

O painel abordou alguns marcos da economia global, destacando as mudanças tecnológicas realizadas na última década e os desafios que as tecnologias e as inovações propõem ao mercado e como a indústria moageira pode se preparar para encara-las como oportunidades.

Os obstáculos e oportunidades do trigo

A tarde da segunda-feira teve início com uma mesa redonda que teve como tema central a Conjuntura do Trigo no Brasil. O debate, que foi coordenado pelo sócio da MB Agro, Alexandre Mendonça de Barros e mediado pelo presidente do Sinditrigo do Estado do Paraná, Daniel Kümmel, contou com a participação do presidente da Comissão do Trigo da FARSUL, Hamilton Jardim, o CEO da Moinho Paulista, representando a Indústria Moageira, João Carlos Veríssimo, CEO da Moinho Paulista, representando a Indústria Moageira e o diretor de Comercialização e Abastecimento do Ministério da Agricultura, José Maria dos Anjos.

O tema central das discussões foi o atual cenário do trigo no Brasil, levantando os volumes produzidos no país e o que é importado de fora, além de apresentar uma perspectiva de como se comportará o setor frente as oscilações da taxa de câmbio e as previsões quanto ao clima nos próximos meses.

A 'Regulamentação' foi tema de uma mesa redonda, moderada pelo presidente do Sindustrigo, Christian Saigh. Dentre os assuntos debatidos no painel estava a legislação e processo de regulamentação de novos defensivos agrícolas, os impactos e informações sobre a tabela do frete e as normas, leis do sistema de rotulagem nutricional e a defesa por uma regulamentação séria para o setor de alimentos.

Participaram do debate o diretor executivo da Associação Nacional de Defesa Vegetal - ANDEF, Mário von Zuben, que representou o setor de defensivos; o presidente executivo da Associação Brasileira das Indústrias da Alimentação - ABIA, João Dornellas, como representante das empresas de rotulagem; o presidente do Comitê de Logística e Competitividade da ABAG, Claudio Graeff e a diretora executiva do Sindicato das Indústrias de Alimentação do Estado de Goiás, Denise Resende.

Fechando a programação do primeiro dia, o tema 'Abastecimento: novas possibilidades' foi debatido pela chefe da Divisão de Análise de Risco de Pragas do MAPA, Juliana Ribeiro Alexandre e diretor de Planejamento Estratégico do Moinho Cearense Adriano Campos, diretor de Planejamento Estratégico do Moinho Cearense, com a presença do moderador Carlos Augusto Neves da Rocha, Coordenador da Câmara de Normas e Regulamentações da Abitrigo.

A mesa redonda debateu as novas origens para o trigo consumido no Brasil, analisando os números dos anos anteriores, o potencial de crescimento do consumo e produção no país e as questões fitossanitárias, focando pontos de atenção para grãos trazidos pela importação.

Sustentabilidade e os cenários do trigo no mundo 

A sustentabilidade e as mudanças dos hábitos alimentares foram os temas do painel que abriu o terceiro dia do Congresso Internacional da Indústria do Trigo. O Painel, que foi moderado pela vice-presidente do Moinho Globo, Paloma Venturelli, contou com a presença do debatedor e jornalista especializado em Agronegócio e Marketing, José Luiz Tejon, que debateu as projeções de crescimento populacional em 2030 e como a produção de alimentos irá acompanhar esse momento.

Participaram do painel a embaixadora do Barilla Center for Food and Nutrition, Alessandra Luglio, o presidente da Ass. Bras. das Inds. de Biscoitos, Massas Alimentícias e Pães & Bolos Industrializados - ABIMAPI, Claudio Zanão e o oficial Nacional da Unidade da FAO / ONU para a região Sul do Brasil, Valter Bianchini, que debateram como fazer uma gestão mais sustentável da produção atual, reduzindo o desperdício de alimentos e combatendo a obesidade, além de repensar o papel dos líderes do setor para encarar os desafios do mercado.

Fechando o evento, o Presidente da Abitrigo, Rubens Barbosa, moderou o painel 'O Brasil sem fronteiras para o mundo: Mercado Global & Comércio', que apresentou um panorama da produção do trigo no mundo, evidenciando os resultados no país e em países que interessam para os compradores brasileiros.

Durante o painel, representantes de países como Argentina e Rússia, apresentaram os números esperados para o trigo em seus países e aos problemas enfrentados na produção desta safra. Participaram do painel o vice-Presidente de Pesquisa Econômica do Grupo Gavilon, Ankush Bhandari, o diretor da Sodrugestvo (Rússia), Bart Swankhulzen, o Ministro da Agricultura de Córdoba - Argentina, Sergio Sebastián Busso, o Gerente Geral da Unexpa (Paraguai), Raúl Valdez Florentín, o presidente da U.S. Wheat, Vicent Peterson, além do o gerente Técnico e Econômico da OCEPAR, Flávio Turra, que apresentou um panorama da produção do grão na região sul do Brasil.

O evento, que reuniu mais de 600 participantes, promoveu três dias de debates e discussões sobre a cadeia do trigo, destacando desafios e oportunidades frente a atual situação do Brasil e evidenciou a importância da união do setor para o desenvolvimento do consumo e produção do grão no país.

 

 

Indique a um amigo